Blog Tecnológico

BIM no Projeto Executivo

Jefferson Hinz • 28 abr 2021 • Autodesk BIM

BIM no Projeto Executivo

Agora que já foi colhida todas as informações preliminares e feito e estudo do ante projeto, dá-se a oportunidade de elaborar o projeto executivo, porém com o BIM.

artigo-projeto-executivo-no-bim-eng-dtp-multimidia  

Como dito anteriormente, o projeto executivo é o resultado final de um briefing e um ante projeto bem consolidado e embasado em informações. Por definição, o projeto executivo é a etapa na qual o projeto arquitetônico é finalizado, ou seja, é a etapa na qual a atenção deve estar redobrada para não cometer erros, caso contrário, refletirá diretamente no custo do projeto e execução da obra. A finalização do projeto executivo é a linha de partida para novas etapas construtivas, como: compatibilização de projetos, envio das documentações para os órgãos de interesse (prefeitura, bombeiros e afins) e por último e não menos importante, o envio da documentação (depois de aprovada) para o campo de execução.

O sucesso de um empreendimento é medido pelos seus acertos e os prazos batidos, e para que isso seja cumprido, tudo começa com uma base consolidada, no caso, o projeto executivo de arquitetura. Dentro da metodologia BIM não é diferente, existem as dimensões que representam a quantidade de informações que são extraídas de um modelo base de arquitetura (ex: 5D, que é o custo, só é bem realizado se o 3D, que é a modelagem paramétrica da arquitetura, estiver bem elaborado), ou seja, o projeto executivo é um dos principais momentos do fluxo de trabalho em BIM.

Atribuindo um exemplo prático, imaginemos que um projeto executivo de arquitetura seja feito de forma imprudente e incompatível com a topografia do terreno, isso seria o suficiente para impactar o projeto estrutural, hidráulico, elétrico e todos os outros que se baseiam na arquitetura, sem contar o prejuízo quando o erro de projeto for notado em campo, o que acarretaria em retrabalho, tomada de decisões inseguras e com certeza, um gasto de tempo e de recursos que não estava previsto.

Visando diminuir essas inconsistências, alguns softwares baseados em BIM foram criados, como o Revit (para projetos de edificações­) e o Civil 3D (para projetos de infraestruturas). Quando a pauta é precisão e assertividade, é inevitável não associar à um software em BIM. Adotando o Revit como modelo de exemplo, podemos atingir um nível de produtividade incomparável, já que o estudo preliminar feito no FormIt (visto nesse artigo) poderá ser usado integralmente no Revit, ou seja,  inicia a modelagem com uma vantagem de produtividade, já que o Revit tem compatibilidade nativa com softwares de estudos preliminares(Formit) isso sem considerar a elaboração de cortes, pranchas e tabela de quantitativos automáticos.

Contudo, vemos que nessa etapa de projeto executivo cometer erros é garantia de prejuízo e consequências que atingirão outras disciplinas que dependem da arquitetura. Para evitar que esse processo negativo seja potencializado em efeito de cadeia, a utilização do BIM é imprescindível, aumentando a assertividade, produtividade e precisão. Detecção de inconsistência na etapa de projeto, garante um maior poder de impacto e um menor custo de retrabalho, se comparado com a etapa de construção. O BIM é a chave para uma nova realidade para quem almeja atingir projetos desafiadores. Quer saber mais sobra às próximas etapas construtivas?  Fique ligado no blog da ENG!

Gostou deste conteúdo?






Para nos enviar comentário, acesse.

 

Jefferson Hinz

Jefferson Hinz

Engenhario Civil pela UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais . Aplica a metodologia BIM e suas tecnologias na elaboração de projetos. Atua como técnico comercial em BIM pela ENG DTP & Multimídia.

Prvacidade e Proteção de Dados | ENG DTP & Multimídia

ENG DTP & Multimídia - Logo

 

 

ENVIE SEU CONTATO e SEUS COMENTÁRIOS